Home seta Turismo seta Percursos Pedestres seta Rota do Ouro Negro
 
PR 8 - Rota do Ouro Negro PDF Imprimir e-mail

Aspectos Geológicos do PR8 «Rota do Ouro Negro»

No local onde se inicia o percurso aflora o mesmo tipo de rocha em que assenta a vila de Arouca, designada por Quartzodiorito de Arouca, e que possui características muito semelhantes às de um granito. É sobre esta rocha magmática que percorremos o troço inicial da rota. A sua ocorrência destaca-se na paisagem pela presença de blocos arredondados, resultantes de fenómenos de meteorização e erosão do maciço rochoso. Os blocos mais resistentes às alterações físico-químicas a que o maciço está sujeito são os que persistem na paisagem.

Image

Escamação da rocha em «casca de cebola»

Os blocos de quartzodiorito apresentam-se com uma forma arredondada, fruto de um fenómeno conhecido por disjunção esferoidal da rocha. Esta resulta da fragmentação em camadas concêntricas, da periferia para o centro, resultando daí a denominada disjunção em casca de cebola. Ao longo do temo, o bloco torna-se mais pequeno e arredondado, com a progressiva libertação das escamas mais externas.
Ao avistarmos a aldeia do Pedrógão, atravessamos o contacto da rocha quartzodiorítica com as rochas xistentas do Grupo do Douro. É nestas últimas que se encerram as mineralizações de volfrâmio outrora aqui exploradas.
Os jazigos de volfrâmio (um minério rico no elemento químico tungsténio) integram-se num conjunto de depósitos de tungsténio e estanho que se distribuem desde a Galiza a Castela (Espanha) atravessando o norte e centro de Portugal e definindo a designada «Província estano-volframítica». Esta ocorrência torna Portugal o país da Europa mais rico neste minério, razão pela qual foi cobiçado pelas potências principalmente durante a Segunda Guerra Mundial, dada a utilização deste minério no fabrico de armas e muinções.

Image

O Volfrâmio

O elemento químico tungsténio (W) é um metal que possui características excepcionais. Entre todos os metais, tem o mais alto ponto de fusão (3410ºC), a menor expansão térmica e uma densidade elevadíssima (19,3 g/cm3). Combinado com o carbono constitui o carboneto de tungsténio, que é uma das ligas metálicas mais duras que se conhece. Foi por isso, em tempo de guerra, muito usado na construção de material bélico.
O volfrâmio, que era o minério explorado, é formado em larga medida pelo mineral volframite (Fe,Mn)WO4 rico no elemento químico tungsténio (W). Na chegada às minas da Pena Amarela, encontramos dezenas de bocas de minas que testemunham antigas explorações clandestinas. Muitas vezes vemos e pisamos os filões de quartzo que contêm a mineralização.
Todos aqueles que demandaram a serra sem contrato nem projecto definido na procura do volfrâmio eram conhecidos por «pilhas». No tempo da dita «febre do volfrâmio», e que no que se refere à população arouquense, terão sido mais os que andaram na «pilha» do que aqueles que optaram pela dura profissão de mineiro. No período do auge da guerra, os «pilhas» aventuraram-se a abrir à picareta a dura rocha na esperança de encontrarem o «ouro negro» que lhe permitia fazer uma pequena fortuna (Vilar. 1998).
Mais tarde, em 1953, estas minas foram concessionadas, tendo sido obtido o alvará para a chamada Pena Amarela n.º1 e Pena Amarela n.º2. Mais tarde, a falta de escoamento do produto levou, tal como todas as outras minas de volfrâmio de Arouca, ao seu abandono em 1988.
Além de toda a carga histórica e mineira que aqui se respira, o arranjo cénico da paisagem envolvente é também inesquecível. Esta é marcada por vales fortemente encaixados onde correm águas límpidas e cristalinas como a ribeira da Covela e a ribeira da Pena Amarela, que confluem ali bem perto. A ribeira de Covela forma até uma queda de água que prende o olhar do pedestrianista.

Image

Descrição do Percurso

O PR8 – «Rota do Ouro Negro» tem o seu início em Fuste (freguesia de Moldes), junto à capela de St.ª Catarina, onde também passa o PR3 – «Caminhos do Sol Nascente».

Durante uns 150 m, percorrem caminhos comuns até que, no meio do lugar, o PR3 diverge para a esquerda e o PR8 para a direita, descendo por entre os campos da aldeia para o lugar do Pedrógão, continuando, a partir daqui, para as minas da Pena Amarela.

Após alguns estradões florestais, chega ao trilho agora refeito e que passa em frente de dezenas de bocas de minas rudimentares. Lá em baixo, num vale profundo e encaixado, o majestoso ribeiro da Pena Amarela recebe a água do ribeiro da Covela, que ali chega por um leito em escadaria, formando cascatas.

Ainda na zona de mineração atravessa o ribeiro da Pena Amarela numa pequena ponte de madeira iniciando, de seguida, a subida por um carreiro tradicional. Chegado ao alto desta subida inicia a descida para o lugar de Rio de Frades (freguesia de Caberiros), onde faz ligação com o PR6 – «Caminho do Carteiro», outro emblemático percurso pedestre de Arouca.

Nota: Como o percurso é em travessia, isto é, termina num sítio diferente daquele onde se iniciou, tanto pode ser começado em Fuste como em Rio de Frades.

Image

Ficha Técnica

Partida: Fuste (freguesia de Moldes)

Chegada: Rio de Frades (freguesia de Cabreiros)

Tipo de percurso: pequena rota por trilhos de montanha

Distância a percorrer: 6000 metros

Duração do percurso: 2,30 horas

Nível de dificuldade: médio/baixo

Desníveis: pouco significativos

Época aconselhada: todo o ano

Consulte o folheto informativo do PR8 - «Rota do Ouro Negro»

 
 
 
Regeneração Urbana
 
Em Arouca Acontece
 
Blogue do Ambiente
 
Portal SIGA

 
Arouca no Google Earth

 
Inquérito online
 
 
 
© Câmara Municipal de Arouca | Desenvolvido por [+|-] Energica